10 de agosto, 2017
507

O caradurismo risível do embate da Globo com a Folha, Por Gabriel Priolli no NOCAUTE

Acompanhar o noticiário brasileiro com visão crítica não tem sido nada prazeroso, mas, de vez em quando, a imprensa oferece momentos de puro deleite, se o freguês abstrai o profundo cinismo que ela pratica.

NOCAUTE, Por Gabriel Priolli em 10/agosto/2017 às 12h49 - foto capa: Brasil 247

Acompanhar o noticiário com visão crítica não tem sido nada prazeroso, sobretudo quando se tem uma perspectiva interna de como a produção jornalística é feita.

Mas, de vez em quando, a imprensa brasileira oferece momentos de puro deleite. Pode ser divertidíssima, se o freguês abstrai o profundo cinismo que ela pratica.

Outro dia, o colunista Nélson de Sá analisou na Folha de S.Paulo a cobertura que a TV Globo deu ao salvamento de Michel Temer na Câmara Federal, na votação que o livrou de um processo por corrupção e obstrução de justiça.

Observou que a Globo foi a única emissora aberta a trocar a programação regular pela transmissão ao vivo da Câmara, o que seria mais uma prova de que ela “atira sem intervalo contra Temer”, desde 17 de maio, quando veio a público a conhecida gravação de Joesley Batista no Palácio do Jaburu.

Completou o comentário duvidando que a Globo consiga manter a participação nos gastos publicitários do governo, que seriam declinantes desde 2014.

O colunista não fez qualquer referência ao fato de que a Folha desacreditou da gravação de Joesley assim que a Globo a divulgou. Primeiro, o jornal disse que era inconclusiva nos pontos-chave e, depois, que ela foi editada.

Consta que Temer, aturdido inicialmente, teria tomado a decisão de renunciar, diante do furor nacional que o fato provocou.

Mas voltou atrás quando a Folha lhe ofereceu a oportuna boia de salvação. Aferrou-se ao discurso de que era tudo armação e chegou à praia com ele.

O diretor de jornalismo da Globo, Ali Kamel, deu-se ao trabalho de responder o comentário de Nélson de Sá e foi condescendente com a Folha.

Não lembrou da sua “perícia-tabajara” na gravação de Joesley, nem da clara posição “Fica Temer” que o jornal sustentou por longo tempo, antes de sentir o vento da opinião pública e também virar os canhões contra o Usurpador.

Kamel preferiu exercitar o seu insuspeitado talento de humorista.

Argumentou que a eventual redução de investimentos publicitários do governo não tem impacto na Globo.

Disse que a emissora não depende de nenhum anunciante, “muito menos de governos, a quem nada deve, em nenhuma circunstância”.

E, cereja do bolo, sentenciou que “a Globo faz jornalismo; não faz campanha, nem contra nem a favor”.

Só num país muito ignorante, com uma cidadania tão frágil e tolerante, é possível exibir um caradurismo dessa proporção.

O jornal apontando o dedo sujo para a TV e a TV chapa-branca se dizendo independente, sendo ambos – jornal e TV – notórios cultores do mais deslavado jornalismo de campanha que o país já conheceu, nos 209 anos de sua imprensa.

O papel, de fato, aceita qualquer coisa. Difícil é aceitar o papel ridículo de alguns que lidam com os fatos e fazem do jornalismo uma coisa qualquer.

O caradurismo risível do embate da Globo com a Folha - NOCAUTE - O Blog do Fernando Morais 

Youtube Publicado em 10/ago/2017 - Acompanhar o noticiário brasileiro com visão crítica não tem sido nada prazeroso, mas, de vez em quando, a imprensa oferece momentos de puro deleite, se o freguês abstrai o profundo cinismo que ela pratica.
___________________________________________________________

Leia também:

Desacerto de bandidos: Globo e Folha expõem as vísceras do golpe - 22/Maio/2017: "(...) A Globo desmontou a farsa de uma perícia da Folha acerca dos áudios que comprometem o ilegítimo Michel Temer. A briga entre ambos expõe as vísceras do golpe que apoiam..."

___________________________________________________________

Acesse, curta e recomende o JORNAL DO NASSIF

Participe do BLOG e comente esta matéria (dentro das regras abaixo)!

- Enviaremos um e-mail para confirmar se a postagem realmente é sua e não um fake (seu endereço de e-mail não será publicado, será mantido sob sigilo).
- Os comentários serão moderados e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva do autor do comentário.
- Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1000 caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência.
- Não há, contudo, moderação ideológica.
A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade.
Obrigado!

Limite de caracteres no comentário : 1000

Total restante: