12 de agosto, 2017
1082

LUTO: Carlos Araújo, ex-deputado e ex-marido de Dilma, morre em Porto Alegre

Ele estava internado na Santa Casa da capital gaúcha desde 25 de julho e faleceu na madrugada deste sábado. Carlos Araújo foi deputado estadual no Rio Grande do Sul por três mandatos, entre 1982 e 1994, pelo PDT - REDE BRASIL ATUAL por Redação RBA publicado 12/08/2017 10h14, última modificação 12/08/2017 15h40    REPRODUÇÃO/TV BRASIL

São Paulo – Morreu à 0h01 deste sábado (12), em Porto Alegre, o advogado trabalhista, ex-deputado e ex-marido de Dilma Rousseff - Carlos Araújo, aos 79 anos.

Ele estava internado na Santa Casa da capital gaúcha desde 25 de julho, em função de uma cirrose medicamentosa. Ao longo da vida, teve problemas de saúde relacionados a um enfisema pulmonar, decorrente do tabagismo.

Nos anos 1950, Carlos Franklin Paixão Araújo se juntou à Juventude Comunista e lutou contra o regime militar, período em que conheceu Dilma Rousseff, mais precisamente em 1969, quando os dois faziam parte da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares, a VAR-Palmares.

Depois de casados, ambos foram presos em 1970, e torturados durante seu período na prisão. Voltaram para Porto Alegre em 1974, quando Araújo passou a administrar o escritório de advocacia do pai, falecido no mesmo ano. Ana Paula, única filha do casal, nasceu em 1976, e lhes deu dois netos, Guilherme, que tem pouco mais de um ano, e Gabriel, que completa sete em 9 de setembro. Foto: ao lado,  quando preso, durante depoimento (Isto É) - foto abaixo, final da matéria, Carlos Araújo, a filha Ana Paula e Dilma.

Araújo e Dilma foram casados por quase 20 anos e continuaram amigos, conversando frequentemente por telefone ou pessoalmente. Em entrevista à Revista do Brasil concedida em 2013, no entanto, ele negou ser "conselheiro político" da presidenta como afirmavam alguns veículos. "Não tem essa história de conselheiro político. Nós somos amigos. Fui casado com ela, temos uma filha juntos, militamos na época da ditadura. É natural que se estabeleça uma relação de confiança. Mas daí dizer que eu sou seu conselheiro político... O pessoal exagera um pouco."

Foi deputado estadual no Rio Grande do Sul por três mandatos, entre 1982 e 1994, pelo PDT. Em 2004, se desfiliou da legenda e se afastou da vida partidária, voltando a se filiar em março de 2013 ao mesmo partido. Na ocasião, falou em trabalhar pelo resgate do trabalhismo da sigla, considerado por ele o "caminho brasileiro para o socialismo". "O PDT está um pouco descaracterizado, se afastou das raízes do trabalhismo. Falta ao PDT uma prática social maior, uma maior participação nos movimentos sociais. O partido deveria se voltar aos grandes problemas nacionais, mas não faz esses debates. A atuação é muito tímida. Internamente, é preciso haver mais democracia, discussão e revezamento de poder no PDT. Não podemos ter lideranças que se eternizam no poder", avaliou à época.

O corpo será velado na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, a partir das 15h até as 21h deste sábado. A família fará uma cerimônia privada para a cremação do seu corpo em seguida.
___________________________________________________________

EBC TV BRASIL: Espaço Público recebe o advogado trabalhista Carlos Araújo - Publicado no Youtube em 04/mai/2016

O entrevistado do Espaço Público desta terça-feira (3/5) é uma das pessoas mais próximas da presidente Dilma Rousseff. O advogado trabalhista Carlos Franklin Paixão de Araújo, três vezes deputado estadual pelo PDT do Rio Grande do Sul, foi casado com Dilma, além de ter militado ao lado dela na resistência à ditadura militar de 1964. Pais da procuradora do Trabalho Paula Rousseff Araújo e avós de Gabriel, 5 anos, e Guilherme, nascido no começo deste ano, eles mantêm o companheirismo.

A parceria começou em 1969. Dilma tinha 21 anos, nove menos que Carlos. A história dos dois resistiu à prisão e à tortura a que ambos foram submetidos pelo regime de exceção. Superou, ainda, a separação do casal, em 2000. Foi com a autoridade de quem tem tanta proximidade com a presidente da República que o advogado previu em entrevista a um jornal gaúcho, cerca de nove meses atrás, quando a crise começava a agravar-se, que ela, “pela experiência de vida e de luta, não irá se abalar”.

Carlos Araújo reconhecia a insatisfação popular. “Há motivos para protestar, para sair nas ruas, para dar contra o governo.” O medo do desemprego e da perda de direitos foi uma das razões citadas por ele. “Mas isso é uma coisa, outra é querer impor o impeachment, como quer o Aécio Neves. Isso não é regime democrático”, acrescentou. Avaliou, ainda, que “inventar uma coisa artificial a todo custo, para motivar a queda da presidente e ter eleições imediatas” é desrespeitar “as regras do jogo”.

Com o processo de impeachment aprovado pela Câmara e em andamento no Senado Federal, o Espaço Público vai atrás das atuais avaliações do confidente de Dilma sobre o momento político e a própria presidente. O programa é ancorado pelo jornalista Paulo Moreira Leite, com a participação de Florestan Fernandes Júnior.

___________________________________________________________

História de Vida e Ação Política 05 - Carlos Araújo, Publicado em 28/jun/2017

Este é o quinto vídeo do Projeto História de Vida e Ação Política e conta com a participação de Carlos Araújo.

Carlos Franklin Paixão Araújo é advogado, filho do conceituado advogado trabalhista de Porto Alegre, Afrânio Araújo. Nos anos 1950 ingressou na Juventude Comunista e, anos mais tarde, ajudou a formar a organização guerrilheira Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR–Palmares). Com uma trajetória extensa na vida política brasileira, foi preso político, ativista em várias frentes de luta e já foi eleito três vezes deputado estadual pelo PDT. Foi companheiro da ex-presidente Dilma Rousseff por mais de trinta anos.

Participou do projeto História de Vida e Ação Política no dia 14 de julho de 2016.

O projeto História de Vida e Ação Política é realizado pelo Laboratório de Políticas Públicas Ações Coletivas e Saúde (LAPPACS/UFRGS) e tem como objetivo trazer para o ambiente universitário, narrativas autobiográficas emblemáticas do cenário político e social, propiciando momentos de debate e reflexão sobre a passagem público/privado. O projeto coloca em diálogo, no espaço acadêmico, as experiências de ativistas e militantes de movimentos sociais que tiveram importantes atividades de mobilização social e de organização política no Estado do Rio Grande do Sul. Este projeto foi iniciado em 2004 pelo Núcleo de Psicologia Política da Universidade Federal de Minas Gerais e segue sendo editado pelo Laboratório de Psicologia do Trabalho da UFMG

HISTÓRIA DE VIDA E AÇÃO POLÍTICA: Ativistas Contam Suas Histórias - acesse o link aqui! Laboratório de Políticas Públicas, Ações Coletivas e Saúde (LAPPACS/UFRGS)

Leia também:

TIJOLAÇO: Morre Carlos Araújo, sempre companheiro de Dilma Rousseff, POR FERNANDO BRITO · 12/08/2017 - "(...) Ex-marido e sempre companheiro de lutas de Dilma Rousseff, morreu esta madrugada, aos 79 anos, o advogado trabalhista e ex-deputado Carlos Araújo, no Hospital São Francisco, do Complexo Hospitalar Santa Casa, em Porto Alegre...

(...) Discreto, e desde que Dilma passou a exercer cargos de relevo – os dois se separaram nos anos 90, mas mantiveram sempre as relações de amizade – passou a ser mais reservado ainda. Foram raras as suas manifestações públicas. Uma delas, um entrevista a Luis Nassif, no Brasilianas - acesse o link aqui..."
___________________________________________________________

Acesse, curta e recomende o JORNAL DO NASSIF

Participe do BLOG e comente esta matéria (dentro das regras abaixo)!

- Enviaremos um e-mail para confirmar se a postagem realmente é sua e não um fake (seu endereço de e-mail não será publicado, será mantido sob sigilo).
- Os comentários serão moderados e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva do autor do comentário.
- Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1000 caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência.
- Não há, contudo, moderação ideológica.
A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade.
Obrigado!

Limite de caracteres no comentário : 1000

Total restante: